Representantes discutiram diretrizes sobre a restrição do atendimento no Hospital de Clínicas da Universidade Federal de Uberlândia (HC-UFU) (Foto: Renato Henriques)
in ,

Prefeitos da região pedem volta do HC e auditoria sobre contas da Faepu

Representantes discutiram diretrizes sobre a restrição do atendimento no Hospital de Clínicas da Universidade Federal de Uberlândia (HC-UFU) (Foto: Renato Henriques)
Representantes discutiram diretrizes sobre a restrição do atendimento no Hospital de Clínicas da Universidade Federal de Uberlândia (HC-UFU) (Foto: Renato Henriques)

UBERLÂNDIA, TRIÂNGULO MINEIRO – Os prefeitos da Associação dos Municípios da Microrregião do Alto Paranaíba (Amvap) se reuniram, nesta sexta-feira (17), em Uberlândia e decidiram pedir a realização de uma auditoria nas contas da Fundação de Assistência, Estudo e Pesquisa de Uberlândia (Faepu). A instituição é administradora do Hospital de Clínicas da Universidade Federal de Uberlândia (HC-UFU), que, em crise financeira, anunciou a paralisação de novos atendimentos na última segunda-feira (13).

No encontro também ficou acertada a criação de uma comissão com representantes da Amvap, que vai dialogar com os Ministérios Público Estadual (MPE) e Federal (MPF) sobre esta solicitação. O patrimônio da Faepu e o seu modelo de gestão já são investigados pelo MPE, por meio do promotor Fernando Martins, desde o início desta semana. Ele apura se há furos nas prestações de contas do órgão e disse ver a sua gestão como ineficiente.
A comissão será formada por cinco prefeitos da Amvap, das cidades de Ituiutaba, Estrela do Sul, Monte Carmelo, Patrocínio e Capinópolis. O grupo, do qual também fazem parte oito secretários municipais de Saúde da região, teve a abertura definida em encontro ocorrido nesta sexta-feira (17), na sede do órgão, no Distrito Industrial, zona norte de Uberlândia. Na reunião, que contou com a participação de dez prefeitos e cerca de 20 secretários de Saúde de cidades da Amvap, foram discutidas ações relacionadas à interrupção dos atendimentos do Pronto-Socorro e de cirurgias no HC-UFU.

O secretário de Saúde de Patrocínio e presidente do Conselho de Secretarias Municipais de Saúde (Cosems) em Uberlândia, Wesley Romão Siqueira, disse que o pedido de auditoria nas contas da Faepu não significa uma suspeita sobre a atuação da fundação, mas se faz necessário pelas circunstâncias atuais. “É preciso que conheçamos, efetivamente, a aplicação desses recursos que entram na UFU”, afirmou.

Secretários exigem volta imediata do atendimento integral do hospital

Além do pedido de investigação na Faepu, os prefeitos e secretários da Amvap exigiram a volta imediata do atendimento integral do hospital, com 100% dos procedimentos feitos por meio de regulação. A reivindicação foi apresentada em reunião da entidade realizada em Uberlândia. Os integrantes da associação querem que todos os municípios recebam informações e relatórios detalhados sobre cada paciente que dá entrada no HC-UFU.

Segundo Gilmar Machado, prefeito de Uberlândia, o HC tem o dever de prestar todas as contas aos municípios. “Queremos uma regulação. Todos os prefeitos têm direito de saber quem são os pacientes atendidos, qual o tratamento e quanto custou. Apenas queremos ter esse controle, já o que o HC é um prestador de serviço nosso”, afirmou.

A assessoria de comunicação do HC-UFU informou que não se posicionaria, neste momento, sobre possíveis casos de pacientes atendidos sem regulação. Também disse que o Pronto-Socorro e demais atendimentos da unidade permanecem restringidos tal qual a direção informou na segunda-feira (13).

Promotoria averigua patrimônio da instituição

O patrimônio da Faepu e o seu modelo de gestão já é investigado pelo Ministério Público Estadual (MPE), por meio do promotor Fernando Martins, desde o início desta semana. Ele apura se há furos nas prestações de contas do órgão, que administra o HC-UFU, e disse ver a sua gestão como ineficiente. O membro do MP também apura plantões dos profissionais, quantidade do efetivo de servidores e a necessidade do atual patrimônio da instituição.

“O momento agora é de partirmos para preservar alguns bens da Faepu e ter outros alienados. Não faz sentido ter uma instituição que não presta o serviço que lhe compete”, afirmou Martins.

O também promotor do MPE Lúcio Flávio de Faria informou que aguarda as próximas ações das partes envolvidas para se reunir com o procurador da República Cleber Eustáquio Neves e traçar novas diretrizes. “Os gestores é que têm de dar respostas. No lado do MP, nunca paramos. Nossa preocupação é com o paciente”, afirmou Lúcio Flávio.

Entidades médicas manifestam preocupação

A Associação de Hospitais de Uberlândia, a Sociedade Médica de Uberlândia, o Sindicato dos Médicos de Minas Gerais (Sindmed-MG) e o Sindicato dos Hospitais e Estabelecimentos de Serviços de Saúde de Uberlândia (Sindihosp-Udi) publicaram uma nota, na edição desta sexta-feira do CORREIO de Uberlândia, “externando preocupação e indignação com o atual quadro da saúde pública de Uberlândia”.

Para o presidente da Associação de Hospitais de Uberlândia, Fernando de Moraes, a preocupação com o tema abrange toda a rede de saúde, pública e privada. “Preocupa porque Uberlândia já tem um déficit de 800 leitos e, agora, fecham mais 200 do HC – Hospital de Clínicas da Universidade Federal de Uberlândia (HC-UFU). Faltam também cerca de 150 UTIs na cidade”, disse.

Para Moraes, todos precisam se unir para tentar achar uma solução para o problema, que pode ficar ainda pior com a instalação do Sistema de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). “O HC está fechado para emergências e as UAIs (Unidades de Atendimento Integrado) superlotadas. Quem vai atender essas pessoas?”, afirmou.

Correio de Uberlândia

Written by Diário do Pontal

Comunidade participa de mais uma etapa do projeto moçambicano de promoção da leitura

7 comportamentos dos pais que impedirão seus filhos de se tornarem líderes